Principal bandeira dos postulantes ao Executivo do RN é o aumento do número de delegacias da mulher - 17/09/2018

Candidatos ao Governo apontam ações de políticas públicas para as mulheres

 RN registrou mais de 8 mil casos de violência domestica em 2017

 O Rio Grande do Norte é o estado brasileiro com a maior proporção de feminicídios do País, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em 2017, o Tribunal de Justiça do Estado registrou 8,4 mil casos de violência doméstica contra as mulheres. Diante desse cenário, surge a necessidade de implantação de políticas públicas voltadas para as mulheres. A maioria dos candidatos ao Governo apostam em investimentos em delegacias especializadas para solucionar o problema.

Fátima Bezerra (PT), única mulher candidata ao Governo do RN, propõe iniciativas que garantam a autonomia econômica das mulheres e o empenho no cumprimento da Lei Maria da Penha. “Nós temos o compromisso implementar uma rede de proteção à vida das mulheres, recuperar e ampliar o número de delegacias de atendimento e a construção de Casas Abrigo”, completou.

Carlos Eduardo Alves (PDT) propõe a implementação de delegacias regionais especializadas no atendimento de mulheres em cidades polos do RN, a garantia de direitos das mulheres em situação de violência e a criação de Casas Abrigo nas áreas de maior incidência da violência doméstica.

Robinson Faria (PSD) propõe o desenvolvimento de um aplicativo para denúncias e orientações e a criação de mais delegacias da mulher.
Entre as propostas de Brenno Queiroga (Solidariedade), estão a qualificação e inserção das mulheres no mercado de trabalho e o reconhecimento da violência de gênero. “Nós pretendemos criar também um protocolo de atendimento específico para casos de violência contra a mulher. Um plano transversal, que atinja todos as secretarias do estado”, completou o candidato.

Já Carlos Alberto (PSOL) aposta na educação para solucionar o problema. “O feminicídio é um problema grave que vem de uma cultura machista arraigada na sociedade. Isso só pode ser transformado, à longo prazo, através da educação. Mas agora, é necessário investir nas delegacias especializadas e na polícia feminina”, afirmou.

O candidato Heró Bezerra (PRTB) propõe a criação de um Centro de Referência da Mulher com atendimento psicológico e jurídico para dar suporte a mulheres que passaram por situação de violência e a capacitação dos profissionais envolvidos nesse atendimento. Dário Barbosa (PSTU) defende a construção de creches gratuitas e em tempo integral e a criação de uma Secretaria Estadual dos direitos das mulheres.

Freitas Jr (Rede) não apresenta propostas nesse âmbito em seu plano de governo.

Comente

Marina Silva (Rede), Jair Bolsonaro (PSL) e Alvaro Dias (Podemos) defendem a mudança - 17/09/2018

Apenas três candidatos querem fim da reeleição

Estadão Conteudo.

 

 FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

 Sem um candidato à reeleição neste ano, a proibição de um presidente renovar seu mandato tem pouco apoio entre os presidenciáveis. Levantamento feito pelo jornal O Estado de S Paulo mostra que, dos 13 candidatos à Presidência, apenas Marina Silva (Rede), Jair Bolsonaro (PSL) e Alvaro Dias (Podemos) defendem mudar essa regra.

Geraldo Alckmin (PSDB), João Amoêdo (Novo), Guilherme Boulos (PSOL), João Goulart Filho (PPL) e Fernando Haddad (PT) querem continuar tendo a possibilidade de serem reeleitos. Henrique Meirelles (MDB) preferiu não se posicionar e Ciro Gomes (PDT), Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU) e Eymael (DC) não responderam à reportagem.

A defesa de uma reforma política que acabaria com a reeleição e ampliaria o mandato presidencial para cinco anos era uma das principais bandeiras do candidato do PSDB em 2014, senador Aécio Neves (MG). Naquele tempo, ele afirmava [DO CANDIDATO]que a reeleição “fez mal ao Brasil”[/DO CANDIDATO]. Na época, Alckmin foi um dos que pressionou Aécio a se comprometer com o fim da reeleição já em 2018. O nome de Alckmin já era considerado dentro do partido como um dos que poderia disputar o Planalto neste ano.

Agora, porém, o tucano afirma que um segundo mandato “é um direito [DO CANDIDATO]e uma escolha do cidadão”. A possibilidade de reeleição foi aprovada em 1997, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Marina Silva, que também disputou aquele pleito, já defendia o fim da reeleição. Para ela, que tenta chegar ao Palácio do Planalto pela terceira vez, o período de quatro anos “já é uma dose de doação relevante e suficiente”. Se eleita, Marina diz que não vai disputar outra vez.

A candidata propõe ainda que os mandatos sejam ampliados para cinco anos, sem que o presidente possa tentar uma segunda vez. Para o Legislativo, Marina também defende a ampliação do mandato pelo mesmo período e admite a possibilidade de apenas uma reeleição. De acordo com a proposta dela as mudanças valeriam a partir de 2022.

Cinco anos

Na mesma toada, Alvaro Dias também quer promover uma reforma política para, dentre outras coisas, ampliar o mandato presidencial para cinco anos e extinguir a reeleição. De acordo com sua assessoria, o senador não tentará se reeleger caso vença

Em entrevista à revista americana Time, Bolsonaro afirmou que considera, se eleito, apresentar uma reforma política para limitar a um mandato o período de um mesmo presidente no Palácio do Planalto, começando por ele mesmo. Procurada, sua campanha não deu mais detalhes sobre a proposta.

Para João Amoêdo, a possibilidade de reeleição é algo que acontece em dezenas de democracias modernas pelo mundo. Já Guilherme Boulos afirmou não ser contra a mudança, mas defendeu que o País promova uma ampla reforma em todo o sistema político e eleitoral.

Henrique Meirelles preferiu não se posicionar. Em nota via assessoria afirmou apenas que mudanças neste sentido cabem ao Legislativo. “O que os brasileiros querem mesmo, independentemente da duração dos mandatos, é um novo jeito de fazer política”, disse.

Para o cientista político e professor do Insper Carlos Melo, a reeleição em si não é ruim, mas ela deveria ser limitada a apenas uma. Melo afirma que, uma vez que o político já ocupou a Presidência por dois mandatos, ele não deveria poder tentar um terceiro. “A possibilidade de voltar tende à perpetuação do poder”, afirmou o cientista político.

Melo também é cético em relação às promessas de quem quer acabar com o expediente antes mesmo de ter sido eleito. “É muito inconsistente no tempo esse tipo de promessa, é demagogia eleitoral. Se o Congresso não aprovar a mudança, o direito à reeleição continua valendo e o sujeito vai, docemente, ser convencido a tentar o segundo mandato”, disse. Para ele, a discussão só caberia em um amplo e profundo debate que abarcasse todo o sistema político.

Mudança barrada

No ano passado, o Congresso tentou aprovar uma mudança nas regras eleitorais para acabar com a reeleição. A Câmara dos Deputados instalou uma comissão especial para analisar o tema, mas a proposta acabou derrubada. Em 2015, a mesma proposta havia sido analisada na Casa. O fim da reeleição seria acompanhado pela adoção do chamado Distritão, com a eleição dos deputados mais votados em cada Estado. Nenhuma das medidas foi aprovada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comente

Número em 2018 é mais de 12 vezes maior do que o registrado em 1994 - 17/09/2018

Nome militar nas urnas cresce 39% nas eleições

Fonte Estadão Conteudo.

 

 Além de Cabo Daciolo e General Mourão, outros 533 candidatos optaram por incluir suas patentes ou graduações militares no nome de urna para as eleições deste ano, sejam das Forças Armadas, das Polícias ou de Bombeiros Militares. O número é mais de 12 vezes maior do que o registrado em 1994, quando 43 postulantes apostaram na militarização de nomes para atrair votos. Em relação a 2014, o aumento total é de 39%.

A esmagadora maioria é de deputados estaduais, com 313 postulantes Brasil afora. Levantados pelo jornal O Estado de S. Paulo com base em informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os números de 2018 também chamam atenção para outro fator: a influência de Jair Bolsonaro. O atual partido do presidenciável, o PSL, é de longe o que tem mais candidatos com graduações e patentes militares nas urnas: 135, contra apenas 37 do segundo colocado, o Patriota, de Cabo Daciolo.

Bolsonaro, porém, não é um dos que optam por colocar o cargo no nome político, apesar de as ideias militares serem um mote importante da campanha. “É a onda Bolsonaro, nosso líder maior. Foi o que mais chamou atenção para atrair candidatos militares”, afirmou o deputado federal Major Olímpio (PSL-SP), um dos seis militares que concorrem ao Senado.

Para o cientista político Eduardo Grin, da FGV-SP, o fenômeno Bolsonaro não é só causa, mas também consequência de outra onda: a conservadora. “Fortalece candidatos associados a essas agendas. E a sociedade acaba entendendo a segurança não como tema de prevenção, mas de punição. É uma construção no imaginário do eleitor.”

Candidato pela primeira vez em 2004, quando ainda era capitão, Olímpio vê a segurança como tema central de campanha. E quem mais entende do assunto, diz, são os profissionais da área. Em relação às diferenças de se declarar militar hoje e há 14 anos, o deputado acredita que a maior barreira eram as próprias corporações militares. “Parecia que estava cometendo uma infração grave, quase um crime, dizer que ia para a política.”

O cientista político Eduardo Frin apontou que há uma tendência grande de associar autoridade, disciplina e ordem como algo contrário à corrupção, tema presente na atual agenda política brasileira. Com isso, cria-se uma ideia de que, se a política não resolve, alguém com “mão firme” pode resolver. É também nessa linha que Jacqueline Muniz, professora do Departamento de Segurança Pública da Universidade Federal Fluminense (UFF), critica a “falsa promessa de que é preciso um chefe de disciplina para pôr ordem na casa”. “Confunde-se capacidade de governo e de gestão política da máquina pública com comando militar.”

Dois partidos de esquerda são os que têm menos militares candidatos em 2018: PSOL e PCB, com um postulante cada. Candidato a deputado federal pelo PCB de Minas, Pedro Henrique Franco, o Cabo Franco, de 30 anos, disse que a reação à sua candidatura foi de resistência por uma boa parcela dos policiais. “Principalmente os que se filiam ao Bolsonaro”, afirmou. “Mas existem policiais progressistas.”

Comente

Mandados estão sendo cumpridos em Natal, Espírito Santo, Ipanguaçu e Pedro Velho - 17/09/2018

Operação investiga desvio de R$ 2,4 milhões em órgão público

 O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta segunda-feira (17) a operação Canastra Real. O objetivo é apurar o desvio de pelo menos R$ 2.440.335,47 em um esquema envolvendo servidores fantasmas.

A operação conta com o apoio da Polícia Militar. Participam da ação 28 promotores de Justiça, 26 servidores do MPRN e 70 policiais militares. Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades de Natal, Espírito Santo, Ipanguaçu e Pedro Velho.

O MPRN condicionou a divulgação do órgão público ao cumprimento de todos os mandados. Fonte Portal Noar.

Comente

Feira Multissetorial do Mato Grande 2018 - 16/09/2018

João Câmara: Feira Multissetorial do Mato Grande 2018 teve a total cobertura da FM 89.3 nos três Dias do Evento

A Feira Multissetorial do Mato Grande 2018 teve mais de dez mil pessoas por Noite no Evento quer contou com a total cobertura da FM 89 de João Câmara/RN e do Blog A língua Notícias nos três Dias de Evento a onde teve a visita de toda População da Região do Mato Grande e demais Regiões de todo Estado do RN.

 

 

Blogueiro Gaspar Bandeira do Blog A língua e a Equipe da FM 89 na Feira Multissetorial do Mato Grande 2018 na Mídia para todo Estado e Pais. 

 

Equipe da FM 89

 

 

Blogueiro Gaspar Bandeira do Blog A língua e a Equipe da FM 89 de João Câmara/RN. Fazendo a total cobertura da Feira Multissetorial do Mato Grande 2018


 

Comente

Eleições 2018 - 16/09/2018

‘Parte do eleitorado está votando em Bolsonaro para tirar o PT’, diz Alckmin

 Foto: Ciete Silvério

 O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, fez novo apelo, neste domingo, a favor da estratégia do voto útil já no primeiro turno da eleição deste ano. Segundo ele, existem eleitores que estão com Bolsonaro neste momento para tirar o PT do governo, mas a estratégia pode se mostrar errada.

“O que temos visto é que tem uma parte do eleitorado que está votando no Bolsonaro para derrotar o PT. Mas pode ser o inverso, pode ser um passaporte para a volta do PT. Porque no segundo turno, o Bolsonaro perde para todo mundo. Acho que isso vai ficar claro ao longo desses últimos 20 dias.”

Alckmin cumpriu agenda de campanha na manhã deste domingo, no bairro do Campo Limpo, na periferia da zona Oeste da capital paulista. O tucano fez uma caminhada por uma avenida do bairro na companhia de Fernando Fernandes (PSDB), prefeito Taboão da Serra, cidade que faz divisa com o bairro. Cumprimentou lojistas e parou para comer um pastel de queijo e tomar caldo de cana na feira local.

O tucano, que tem tido dificuldade em crescer nas pesquisas mesmo com o maior tempo de TV entre todos os candidatos, também foi questionado sobre se pretende elevar o tom contra o candidato do PT, Fernando Haddad, que tem subido rapidamente nas pesquisas de opinião desde que substituiu o ex-presidente Lula na chapa do partido. “O que temos dito é que não é na bala nem com radicalismos da esquerda ou direita que vamos fazer a economia voltar a crescer”, despistou. Fonte Blog do BG.

Comente

Economista Sandra Barbosa destaca fatores externos, como a alta dos juros nos Estados Unidos, e os internos, como a insegurança eleitoral em momento turbulento - 16/09/2018

Dólar alto pode gerar mais elevações de preços nos combustíveis e gás

 Preços atrelados ao dólar - como combustíveis e gás de cozinha - correm o risco de elevações

 A alta do dólar, que atingiu o patamar de R$ 4,20, pode provocar elevações de custos em produtos que mexem com o bolso dos mais pobres aos mais ricos: os combustíveis e o gás de cozinha. Os dois produtos estão com preços atrelados ao dólar, que já valorizou 26% este ano e, por enquanto, aponta para um viés de alta.

Sandra Barbosa, do Núcleo de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern), explica que o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos proporcionou o direcionamento de muitos investimentos para lá, deixando países emergentes – como o Brasil – em uma posição desfavorável, mesmo a taxa de juros básica do Brasil sendo de 6,25% ao ano, ou seja, três vezes maior que a americana. Há outros países, como a Turquia e a Argentina, em que a situação é pior, por não ter reservas cambiais, o que o Brasil tem de sobra.

Para Sandra Barbosa, uma maior valorização do dólar tenderá – em princípio – favorecer o setor exportador de maneira geral. No entanto, ela lembra que muitas empresas exportadoras já têm contratos com o dólar pré-fixado, justamente para não sofrer tanto com instabilidades mercadológicas, tanto com dólar alto, quanto com o dólar baixo. Na avaliação da economista, como o Brasil importa a maior parte do petróleo e gás consome, os maiores riscos são de novos aumentos sobre estes produtos.

Apesar dos fatores externos influenciarem no cenário de incerteza, as questões internas desencadeadas pelo processo eleitoral também podem causar estragos econômicos, principalmente enquanto houver uma insegurança eleitoral. “Infelizmente, decisões de aplicações de recursos mais vultosos serão postergadas e o modelo adotado para o estabelecimento dos preços contribuem para um cenário de incertezas. Por outro lado, setores como o de turismo internacional, podem ser beneficiados. Os juros nos Estados continuarão a aumentar e na Europa acontecerá o mesmo”, disse Sandra Barbosa. Fonte Agora RN.

Comente

Eleições 2018 - 16/09/2018

Candidato a Deputado Estadual Coronel Fernandes 35190 é recebido pela População em Pajuçara na Zona Norte de Natal

Pela manhã recebemos o abraço da população do Pajuçara, em Natal. Conversa entre amigos que desejam a mudança e almejam a cadeira da segurança pública na Assembleia Legislativa. Vamos mudar de vez e votar no 35190 para deputado estadual. #CoronelFernandes35190 #ForcaEHonra

 A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

 A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, atividades ao ar livre

 A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

 A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Comente

Candidato "prossegue com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis" - 16/09/2018

Bolsonaro recebe alta da UTI e vai para unidade semi-intensiva, diz Einstein

 O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, internado no Hospital Israelita Albert Einstein após ser atacado há pouco mais de uma semana por uma facada em campanha eleitoral, recebeu neste domingo, 16, alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), segundo informações do mais recente boletim da equipe médica que vem cuidando do presidenciável do PSL.

Segundo o parecer, Bolsonaro, que teve de fazer uma segunda cirurgia na última quarta-feira, passa agora para uma unidade de cuidados semi-intensivos.

No boletim, assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, Leandro Echenique e Miguel Cendoroglo, diz que o candidato “prossegue com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis, recebendo nutrição por via parenteral (endovenosa) exclusiva, medidas de prevenção de trombose venosa e fisioterapia respiratória e motora”. Conteudo Estadão.

Comente

Intenção era utilizar as mídias na propaganda eleitoral no rádio e na televisão - 16/09/2018

TSE nega novo pedido de Lula para gravar propaganda eleitoral da prisão

 O ministro Sérgio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou nesse sábado, 15, pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que declarasse o direito do petista gravar áudios e vídeos de dentro da prisão. A intenção era utilizar as mídias na propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Ao negar dar andamento ao pedido, Banhos argumenta que não é competência da Justiça Eleitoral decidir sobre a produção do material por Lula, uma vez que este assunto deve ser tratado pelo juízo responsável pela execução da pena do petista. O ex-presidente está preso na sede da PF em Curitiba após ser condenado em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

“O que pretendem os requerentes escapa à competência da Justiça Eleitoral, que estaria se imiscuindo em assunto de competência do Juízo da Execução, responsável pela administração de todas as questões pertinentes ao cumprimento pena”, afirma Banhos em sua decisão.

Em julho, a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena de Lula já havia negado a autorização para gravações de dentro da prisão.

Segundo o advogado Eugênio Aragão, que defende o ex-presidente no âmbito eleitoral, o pedido não era para que o TSE autorizasse, mas que declarasse que Lula tem o direito de gravar vídeos e áudios de sua cela, em Curitiba. Com essa autorização, a defesa iria fazer um novo requerimento à juíza de execução penal.

Para Banhos, porém, apesar de reconhecer o direito à liberdade de expressão, a questão não deve ser analisada pela Justiça Eleitoral.

“Não se desconhece o direito constitucional da Coligação requerente de participar do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão nas Eleições de 2018, na forma da lei (art. 17, § 3º, incisos I e II, da CF), o que não lhe foi negado por esta Justiça Eleitoral. Tampouco se ignora a garantia constitucional à liberdade de expressão do segundo requerente (art. 5º, inciso IV, da CF). Ocorre que o Ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva está sujeito à segregação imposta pela Justiça Comum (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a partir de entendimento firmado, por maioria, no âmbito do Supremo Tribunal Federal”, diz o despacho do ministro.Conteudo Estadão.

Comente

Governador disse que candidata do PT criou 'fake news' ao negar existência de áudio em que um bandido identificado como 'Colorau' tenta angariar votos para a - 15/09/2018

Robinson afirma que Fátima expôs população ao negar áudio polêmico

 Robinson Faria (PSD) reprovou atitude de Fátima Bezerra (PT)

O Núcleo de Eleições da Rede Globo concedeu direito de resposta na InterTV Cabugi a Robinson Faria (PSD) e abriu espaço para neste sábado, 15, para o candidato. Isso porque, em entrevista à emissora, Robinson tornou pública a existência de um polêmico áudio em que o líder de uma facção criminosa pede votos para a também candidata Fátima Bezerra.

Fátima acusou a campanha de Robinson de promover “fake news”, colocando em dúvida a veracidade do áudio. Entretanto, no telejornal RN TV 1ª deste sábado, a afiliada da Globo ratificou a existência do áudio, assim como o reconhecimento da voz do autor do áudio [Marcelo Henrique da Silva Oliveira, conhecido como Colorau], e divulgou a nota emitida pela assessoria jurídica da Coligação Trabalho e Superação.

Trecho da nota assinada por Robinson Faria diz que a senadora expôs a Inter TV, já que a emissora foi acionada para veicular nota em reposta à declaração do governador, e também toda a população:

“Ao acusar a campanha de Robinson Faria de quebrar o compromisso assumido com o Ministério Púbico e a Justiça Eleitoral, no sentido de fazer uma campanha limpa e sem mentiras, Fátima tenta, mais uma vez, encobrir a verdade e tirar proveito eleitoral de uma situação que nem ela, nem sua campanha, conheciam de verdade. Fátima expôs a Intertv e a população do Rio Grande do Norte e mostrou que quem efetivamente criou uma fake news foi ela”.

EM RESPEITO À VERDADE E À POPULAÇÃO DO RIO GRANDE DO NORTE

A campanha da candidata Fátima Bezerra exigiu à Intertv um direito de resposta a um trecho da entrevista de Robinson concedida a este canal. Na entrevista, Robinson repercutiu o áudio do chefe de uma facção criminosa no qual o bandido declara abertamente voto à senadora. O criminoso em questão cumpre pena de 70 anos de prisão e a senadora Fátima afirma que Robinson usou de expediente escuso para divulgar uma notícia falsa.
Ao acusar Robinson de “mendaz e oportunista”, a senadora tentou, sem o real conhecimento dos fatos, criar uma falsa verdade, acusando irresponsavelmente o Governador de ferir a regra democrática das eleições.

O áudio que está circulando nas redes sociais é do bandido conhecido como Colorau. E, no que os bandidos chamam de salve, Colorau recomenda sim que membros da facção votem em Fátima, ao mesmo tempo em que diz que Robinson é um “governador opressor”.

A veracidade do áudio foi confirmada à imprensa pela delegada Sheila Freitas, que já prendeu o bandido por mais de 5 vezes. A farsa inventada pela assessoria da senadora Fátima, então, ruiu.

Robinson recuperou o sistema prisional do Estado, implantando regras de disciplina e controle, instalando bloqueadores de celulares e transformando a prisão de Alcaçuz em um presídio de segurança máxima referência para o sistema prisional brasileiro.

Ao acusar a campanha de Robinson Faria de quebrar o compromisso assumido com o Ministério Púbico e a Justiça Eleitoral, no sentido de fazer uma campanha limpa e sem mentiras, Fátima tenta, mais uma vez, encobrir a verdade e tirar proveito eleitoral de uma situação que nem ela, nem sua campanha, conheciam de verdade. Fátima expôs a Intertv e a população do Rio Grande do Norte e mostrou que quem efetivamente criou uma fake news foi ela.

Robinson sempre se pautou pela ética e pelo respeito às pessoas, e está realizando uma campanha limpa e sem ataques baixos, como tentou insinuar a senadora. Senhora Senadora, quem descumpriu o acordo e tentou enganar a população foi a senhora e sua campanha. Robinson mantém o compromisso de fazer uma campanha limpa, propositiva e com críticas administrativas, conforme prevê a legislação.

Quem deve pedir desculpas ao Rio Grande do Norte, ao Governador Robinson Faria e à população é a senhora Fátima Bezerra. Pelo menos é o que se espera de uma parlamentar que diz ter a ética como princípio de suas condutas.

Robinson Faria
Governador do Estado do Rio Grande do Norte

Comente

Batalha entre os dois se acirrou nas mais recentes pesquisas, lideradas por Bolsonaro - 15/09/2018

Disputa entre Ciro e Haddad se acirra na Região Nordeste

 A Região Nordeste, onde vive um em cada quatro eleitores brasileiros, é, neste momento, o principal palco da disputa entre Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT) pelo espólio lulista e por uma vaga no segundo turno da disputa presidencial. A batalha entre o petista e o pedetista se acirrou nas mais recentes pesquisas, lideradas por Jair Bolsonaro (PSL).

Nos Estados nordestinos, o confronto Ciro-Haddad alcança seu nível mais elevado na comparação com outras regiões. Enquanto o candidato do PT conta com a transferência de votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – preso e condenado na Lava Jato -, a campanha de Ciro acredita que poderá frear essa transmissão.

O principal trunfo de Ciro é o forte apoio de que desfruta no Ceará, Estado que já governou e cuja máquina é controlada por seu irmão, Cid Gomes, candidato ao Senado pelo PDT. Apesar de ser petista, o atual governador, Camilo Santana, é afilhado político dos irmãos Gomes e apoia Ciro.

O crescimento de Ciro vinha sendo impulsionado principalmente pelo desempenho no Nordeste. Mas, desde que foi oficializado como candidato do PT à Presidência, no início desta semana, Haddad alcançou índices que o deixam em empate técnico no segundo lugar com adversários.

Conforme o Ibope mais recente, divulgado na terça-feira, 38% dos nordestinos afirmaram que votariam “com certeza” em Haddad ao ser informados de que ele tem o apoio do ex-presidente. Naquele momento, o petista tinha 13% das preferências no Nordeste, ante 18% de Ciro.

Já a pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 14, mostrou que Haddad cresceu de 11% para 20% no Nordeste e Ciro oscilou para baixo, de 20% para 18%.

A campanha de Ciro estabeleceu como estratégia nos Estados nordestinos poupar Lula, apresentar Haddad como o candidato paulista da presidente cassada Dilma Rousseff e atacar o PT. Com a ausência de Lula, analistas avaliam que o potencial de crescimento de Ciro no Nordeste seria hoje maior do que em outras eleições. Mesmo que não exista garantia de que conseguirá a maioria dos votos na região, o pedetista teria a seu favor o fato de ser mais conhecido pelos eleitores nordestinos.

Interesses locais

A disputa colocou em campos opostos políticos das duas siglas que estão alinhados nas disputas estaduais. No Nordeste, PDT e PT estão juntos em Alagoas (onde estão na chapa de Renan Filho, do MDB), Ceará, (com Camilo Santana, do PT), Bahia (com Rui Costa, do PT), Maranhão, (com Flávio Dino, do PCdoB) e Paraíba (com Ricardo Coutinho, do PSB). O arranjos locais, porém, representam obstáculos nas táticas de disputa entre Haddad e Ciro por votos nordestinos.

Na Bahia, um dos poucos Estados nordestinos onde Ciro ainda não visitou durante a campanha eleitoral deste ano, o PDT, partido dele, está na base do governador Rui Costa (PT), que tenta a reeleição. Nesse caso, Haddad é quem leva vantagem sobre Ciro, porque o governador está afinado com a estratégia nacional do PT

Os pedetistas ocupam duas secretarias na administração estadual: Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura e Administração Penitenciária e Ressocialização. Nos materiais de campanha e na propaganda eleitoral no rádio e na TV, candidatos a deputado estadual e deputado federal do PDT baiano têm exibido a imagem de Ciro.

“Uma coisa é o Lula, outra completamente diferente é o Haddad. Não são a mesma pessoa”, disse Félix Mendonça Jr., presidente do PDT baiano.

Em Pernambuco, Maurício Rands, candidato ao governo pelo PROS – partido da base de Haddad -, declarou apoio a Ciro. O PDT está em sua aliança.

Como principal cabo eleitoral do presidenciável no Estado, Rands tem direcionado seus discursos para o eleitorado petista com o objetivo de impedir a transferência de votos lulistas para o ex-prefeito de São Paulo. “Os valores de justiça social não são monopólio do Lula ou do seu partido. Nós e o Ciro também representamos esses valores”, disse Rands.

O Nordeste possui pouco mais de 39 milhões de eleitores, o que representa 26,6% do total no País. Fonte Conteudo Estadão.

Comente

Profissionais integram equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais - 15/09/2018

PT atrasa pagamento de equipe de TV

 Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.

O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.

A paralisação começou na semana passada, no feriado de Sete de Setembro. Os contratados aguardavam receber pagamento até o dia 7, mas a remuneração não foi regularizada. Na semana anterior, os prestadores de serviço haviam sido orientados a emitir notas para receber antes que a candidatura de Lula fosse julgada pelo TSE.

A direção de campanha já contava com a possibilidade de o ex-presidente ter o registro de candidatura indeferido, o que ocasionaria uma alteração no CNPJ da campanha, algo visto como um elemento complicador para a regularização. Mesmo assim, várias equipes não receberam os valores combinados antes da decisão do TSE.

Um dos coordenadores de marketing do PT, Otávio Antunes atribuiu o “atraso de alguns profissionais” a problemas burocráticos. “Lamentamos o atraso, mas 90% dos contratos dos fornecedores da campanha já estão com sua situação completamente regularizada”, disse Antunes. “Estamos dentro do cronograma (de produção do programa eleitoral).”

Antunes é ligado à empresa M. Romano Comunicação LTDA, que cobrou R$ 7, 4 milhões da campanha de Lula por serviços de “produção de programas de rádio, televisão ou vídeo”. A empresa não estaria ligada aos atrasos nos pagamentos.

A troca do CNPJ da campanha seria uma das razões do problema. No entanto, funcionários receberam diferentes explicações sobre a questão.

Até ter sua candidatura indeferida, a campanha de Lula gastou R$ 26,2 milhões, sendo que mais da metade deste valor foi usada na produção de programas eleitorais para rádio e TV.

Dilma

Nesta sexta-feira, 14, durante entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, Haddad, saiu em defesa do governo da presidente cassada Dilma Rousseff. Segundo ele, o desemprego e a crise econômica surgidos no governo Dilma não foram culpa da petista, mas das “pautas-bomba” aprovadas no Congresso pelo MDB e pelo PSDB.

O presidenciável disse que Dilma foi impedida pelo MDB e PSDB de fazer os ajustes necessários no início de seu segundo mandato. “As pautas-bomba e a sabotagem que ela sofreu, reconhecidas pelo presidente do PSDB, tiveram mais influência na crise do que os eventuais erros cometidos antes de 2014. Nós tínhamos a menor taxa de desemprego em 2014. Aí começa o Eduardo Cunha e o Aécio Neves a aprovar despesa em cima de despesa no Congresso para sabotar um governo que precisava fazer um ajuste.”

Haddad se referiu à entrevista do ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati ao jornal O Estado de S. Paulo na qual o tucano disse que o partido errou ao votar “contra princípios básicos nossos, sobretudo na economia, só para ser contra o PT”.Fonte o Estadão.

Comente

Lava Jato - 15/09/2018

Coordenador da Lava Jato critica ato de Gilmar Mendes: “Atropelo procedimental”

Coordenador da Força Tarefa da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol criticou o Habeas Corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do STF, autorizando a libertação do ex-governador do Paraná Beto Richa.

“Li a decisão. HC de ofício, sem livre e prévia distribuição, viola o juiz natural. Atropelo procedimental, como foi a decisão de Toffoli suspendendo o caso de Mantega liminarmente, sem aguardar as informações do juiz, quando não havia perigo de demora demonstrado”, criticou Deltan.

BR18

Comente

Eleições 2018 - 15/09/2018

Entrevista de Haddad no Jornal Nacional é focada em corrupção

Fernando Haddad (PT) participa de debate no Jornal nacional nesta sexta-feira, 14

  Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência da República, teve embates duros na noite desta sexta-feira (14) em entrevista no Jornal Nacional, da TV Globo.

A maior parte dos 27 minutos ficou centrada no tema da corrupção e o candidato colocou a própria emissora no foco em alguns momentos.

Perguntado sobre o número de petistas investigados, inclusive a ex-presidente Dilma Rousseff, Haddad disse que “a Rede globo é investigada”, como forma de indicar que investigação não significa culpa.

“A Rede Globo muitas vezes condena por antecipação”, disse Haddad. Posteriormente, perguntou a Bonner: “‘qual é a pessoa que está na vida pública que não está investigada?’.

A entrevista começou com a afirmação de Renata Vasconcellos de que o PT nunca fez uma autocrítica em relação ao seu envolvimento em escândalos como o mensalão e o petrolão.

Haddad disse que os esquemas na Petrobras remontam ao período da ditadura militar e focou no fortalecimento, durante as gestões petistas, de instituições como a Polícia Federal e o Ministério Público.

“Se você não fortalece os mecanismos de combate a corrupção, você não descobre a corrupção”, disse ele.

Haddad também teve que responder por afirmações de membros do PT de que haveria algum tipo de conspiração no Judiciário contra o partido e o ex-presidente Lula.

Como seria possível afirmar isso diante do fato de que a grande maioria dos desembargadores, membros do Supremo Tribunal Federal e do TRF4 foram indicados por governos petistas, perguntou Bonner.

“O que você testemunha é que nós nunca partidarizamos o Judiciário”, disse ele, completando que “tanto o Judiciário pode errar que os recursos estão previstos na Constituição. Se fosse infalível, bastava ter juiz de primeira instância”.

A entrevista entrou também na denúncia em relação a Haddad na Operação Lava Jato, baseada em delação de Ricardo Pessoa, da UTC.

Haddad disse que contrariou interesses da empresa ao cancelar o projeto de um túnel, e apontou que o timing da denúncia, longe do ocorrido e perto da eleição, está sendo investigado pela corregedoria do MP.

Renata perguntou então sobre a questão dos “postes”, candidatos menos conhecidos apontados por padrinhos políticos, e os motivos para ele não ter sido reeleito prefeito de São Paulo em 2016.

Ele rejeitou o rótulo, listando conquistas da sua gestão no Ministério da Educação de 2005 a 2012, e disse que 2016 foi “um ano muito atípico” na cidade de São Paulo por causa do “clima antipetista”, Segundo ele, “o eleitor foi induzido ao erro” e “o demônio do país virou o PT”.

Neste momento e depois, comentando a crise econômica que se iniciou no governo petista, Haddad citou uma entrevista dada por Tasso Jereissatti.

Semana de entrevistas

A “semana de entrevistas” do telejornal aconteceu duas semanas atrás, quando quatro candidatos foram entrevistados por William Bonner e Renata Vasconcellos: Ciro GomesJair BolsonaroGeraldo Alckmin e Marina Silva.

Naquela semana, o dia reservado ao PT, sexta-feira dia 31 de agosto, não contou com entrevistas. Ainda candidato oficial, o ex-presidente Lula estava preso em Curitiba e, obviamente, não foi ao gravar no Rio de Janeiro. Já Fernando Haddad ainda não era o candidato oficial do partido, que ainda insistia que Lula era a única opção.

No último dia 11, o partido confirmou o ex-prefeito de São Paulo como candidato. Manuela D’Ávila será sua vice. 

Comente

Eleições 2018 - 15/09/2018

O deputado estadual Ezequiel Ferreira (PSDB) foi nesta quinta-feira (13), aos municípios de Tangará e São José de Campestre, nas regiões Trairi e Agreste d

 O deputado estadual Ezequiel Ferreira (PSDB) foi nesta quinta-feira (13), aos municípios de Tangará e São José de Campestre, nas regiões Trairi e Agreste do Estado. Nas cidades foi recebido com todo carinho e entusiasmo por amigos e correligionários, oportunidade em que registrou o seu empenho em desenvolver ações concretas em benefício dos municípios, destacando o esforças das lideranças políticas pelo engrandecimento das cidades.

 

Em Tangará o deputado Ezequiel foi recebido por Erociano, ex-vice-prefeito da cidade, Thiago, vice-prefeito, pelos vereadores, Nilson Lima e Aninha de Ilo e a liderança Ilo Marinho. Fruto das ações parlamentares do deputado Ezequiel, Tangará passou a ser beneficiada com aumento de efetivo policial: viaturas para a Polícia e programa Microcrédito.

Também foram solicitados para o município perfuração de poços; construção de cisternas; programa Vale-livro; programa Defensoria; Carro Pipa; Adutora; Projeto Tapa Buraco; convênio para pavimentação; programa compra direta; perfuração e instalação de poços nas comunidades Catolé, Assentamento Pica Pau, Assentamento Fleita, Catolé de Baixo e Povoado Trairi; ambulância; Dia de Campo; reforma do ginásio poliesportivo; reforma de escolas; Sistema de vídeomonitoramento; barragens submersas; carro pipa, construção de cisternas para o distrito de Várzea do Milho e Assentamento Pica Pau; Restaurante Popular; Casas Populares e Projeto Vila Cidadã.

 

“Tangará merece todo o nosso apoio para o seu pleno desenvolvimento, porque historicamente registra a bravura do seu povo trabalhador, desde o tempo em que ainda era um povoado, com o surgimento de pequenos comércios”, ressaltou o deputado Ezequiel Ferreira.

 

Em São José de Campestre, na região Agreste, Ezequiel Ferreira (PSDB) participou de um encontro de campanha política onde receber a manifestação de apoio ao projeto de reeleição ao cargo de deputado estadual.

 

Ezequiel agradeceu as manifestações de apoio e reforçou o seu compromisso de continuar desenvolvendo ações que resultam em estímulo econômico e social do município, assegurando uma melhor qualidade de vida para a população. Em Campestre ele esteve ao lado dos vereadores Luciano, Leó, Gerusa e o ex-vereador Reginaldo.

 

“Este é um município vocacionado para as atividades da agricultura, da pecuária, contando ainda com uma boa produção leiteira. Esses setores precisam cada vez mais do nosso apoio para seguirem em desenvolvimento”, disse o deputado Ezequiel Ferreira.

 

Pelas ações parlamentares de Ezequiel já chegaram a São José de Campestre a operação tapa buracos para a melhoria de rodovias; viatura policial; solicitação de melhoria no programa TIM 3G e veículos refrigerados para os programas da EMATER-RN.

 

Outros benefícios requeridos ao Governo do Estado pelo deputado Ezequiel foram: perfuração e instalação de poços tubulares; programa Compra Direta, Barragens Submersas para ações de convivência com a seca; Já no setor de infraestrutura foi solicitado convênio para Pavimentação e Drenagem Ruas; conclusão da reforma da Ponte do Rio Jacu; construção de um novo matadouro público municipal; reforma de escolas da rede estadual e reativação da quadra poliesportiva, pavimentação e drenagem das ruas São José, Getúlio Vargas; Claudino Coelho; João Câmara; Georgino Avelino; Augusto severo e João Matias, saneamento básico e calçamento das ruas Agripino Freire de Santana e Pastor Francisco Braga localizadas no loteamento Monte Santo, Perfuração e Instalação de poços nas comunidades de Jacu de Órfãos. Cruz de São Pedro; Bico Doce; Japi; Sombras Grandes; Quarta-feira e Lagoa de Pedra. Para o setor de saúde foi requisitada uma ambulância. Ainda no setor de segurança pública foi solicitada reforma de Delegacia e aumento do efetivo policial. A solicitação para a reabertura da agência do Banco do Brasil, também foi uma ação do deputado Ezequiel.

Comente

Eleições 2018 - 15/09/2018

Candidato a deputado federal Mestre Raimundo caminha no centro da cidade de Parazinho.

 Nesta sexta feira pela manhã o candidato a deputado federal Mestre Raimundo realizou uma caminhada com sua caravana no centro da cidade de Parazinho, ambulantes,comerciantes e populares abraçaram o Mestre e afirmaram: "nós estamos com você pode confiar"


Após a caminhada Mestre Raimundo discursou em praça publica e afirmou que chegou a hora do mato grande ter um representante na câmara dos deputados.

Um deputado que conheça as reais necessidades do nosso povo, e só assim destinar as emendas para solucionar as prioridades das 18 cidades que compõem a nossa querida região do mato grande.
 
 
 
 
 
 
 
 

Comente

Conforme levantamento realizado nesta quinta-feira, 13, às 11h, a Justiça Eleitoral termina a semana com 357 processos julgados, número que corresponde a 66, - 15/09/2018

TRE-RN finaliza semana com 16 registros de candidaturas indeferidos

 Ao todo, 533 pedidos de registros de candidaturas foram entregues ao TRE-RN

Com o fim do prazo para julgamento dos registros de candidaturas, marcado para a próxima segunda-feira, 17, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) tem intensificado nas últimas semanas o trabalho para que todos os processos sejam julgados em tempo hábil. Conforme levantamento realizado nesta quinta-feira, 13, às 11h, a Justiça Eleitoral termina a semana com 357 processos julgados, número que corresponde a 66,79% do total. Ao todo, 533 pedidos de registros de candidaturas foram entregues ao TRE-RN.

Os pedidos podem ser julgados tanto de maneira monocrática – aquelas proferidas por apenas um magistrado, quanto por decisão colegiada, na qual os processos são colocados em pauta nas sessões plenárias, para que todos os membros da corte eleitoral realizem o julgamento. Dos registros que já foram julgados até o momento, 301 foram por decisão monocrática e 56 por decisão colegiada.

Até a última atualização (13/09/2018, às 11h), 341 registros de candidaturas foram deferidos, ao passo que 16 foram indeferidos pela Justiça Eleitoral. Abaixo, seguem os nomes de todos os pretensos candidatos que tiveram seus pedidos de candidaturas rejeitados:

Registros de candidaturas indeferidos pelo TRE-RN:

1

Leilane Heloíse Carvalho de Freitas

Deputado Estadual

Ausência de filiação partidária

2

Maria da Conceição de Medeiros Costa

Deputado Estadual

Ausência de filiação partidária

3

Délcio Pedroso Costa

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral – contas julgadas não prestadas

4

José Lima Santiago

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral, tendo em vista a não apresentação das contas da campanha

5

Jumaria Souza Fernandes de Oliveira Mota

Deputado Federal

Captação ilícita – condenação pelo art. 30-A da Lei n.º 9.504/97

6

Mary Regina Dos Santos Costa

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral, tendo em vista a não apresentação das contas da campanha

7

Nerivaldo Monteiro

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral, tendo em vista a não apresentação das contas da campanha

8

Maria Eunice Roque Tavares

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral, tendo em vista a não apresentação das contas da campanha

9

Jurandir Freire Marinho

Senador

Contas julgadas irregulares

10

Amauri Lacerda De Brito

Deputado Estadual

Ausência de filiação partidária

11

José Ricardo Do O Gomes

Suplente de Senador

Inexistência do candidato em convenção partidária

12

Alexandre Feitosa Da Silva

Deputado Estadual

Ausência de desincompatibilização em tempo hábil

13

Carlos Alexandre Da Silva Pereira

Deputado Estadual

Ausência de desincompatibilização em tempo hábil

14

Antônio Barbosa Dos Santos Júnior

Deputado Federal

Ausência de desincompatibilização em tempo hábil

15

Jeronimo Alves

Deputado Estadual

Ausência de quitação eleitoral, tendo em vista a não apresentação das contas da campanha

16

Kericlis Alves Ribeiro

Deputado Federal

Ausência de certidões e outros documentos exigidos no art. n.º 28 da resolução n.º 23.548/2017 do TSE

Prazo final para julgamentos de Registro de Candidaturas

Na próxima segunda-feira, 17, termina o prazo para que o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) realize o julgamento dos registros de candidaturas de quem pretende concorrer aos cargos de Deputado Estadual, Deputado Federal, Senador e Governador nas Eleições Gerais que acontecem em 07 de outubro de 2018. Na sessão serão julgados os pedidos restantes que precisam passar por decisão colegiada, seja porque foram impugnados, seja porque o relator assim decidiu.

A sessão plenária acontece a partir das 14h, no Plenário da sede da Justiça Eleitoral, localizada na Av. Rui Barbosa, n° 215, Tirol. Para acompanhar os julgamentos, é necessário que os interessados se dirijam à recepção do TRE-RN e apresentem documento oficial com foto.

Obs.: Os dados espelhados foram extraídos manualmente pela Secretaria Judiciária do TRE-RN, tendo em vista o Sistema Pje não dispor de relatórios estatísticos, razão pelo que as informações se limitaram a quantitativos genéricos.

Comente

Candidato do PSL passou de 24% na pesquisa divulgada na segunda-feira para 26% na de hoje. Ciro manteve os 13%, mesmo porcentual de Haddad, que subiu quatro pon - 15/09/2018

Jair Bolsonaro chega a 26%, enquanto Ciro e Haddad empatam com 13%

 Presidenciável se recupera de facada sofrida em Minas Gerais

A intenção de voto no candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, oscilou positivamente entre o começo e o fim desta semana, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 14.

O levantamento mostra ainda três candidatos tecnicamente empatados em segundo lugar: Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

O candidato do PSL passou de 24% na pesquisa divulgada na segunda-feira para 26% na de hoje. Ciro manteve os 13%, mesmo porcentual de Haddad, que subiu quatro pontos porcentuais (de 9% para 13%).

Alckmin oscilou de 10% para 9%, mas se mantém empatado em segundo lugar, considerando-se o limite da margem de erro, que é de dois pontos porcentuais.

Entre as duas pesquisas, Marina Silva (Rede) caiu de 11% para 8% A ex-senadora deixa, portanto, de figurar como empatada em segundo lugar, como estava no levantamento anterior.

Alvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) aparecem cada um com 3%, mesmo índice do levantamento anterior.

Por sua vez, mantiveram 1% Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU).

Assim como no levantamento anterior, João Goulart Filho (PPL) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram.

Votos brancos e nulos oscilaram de 15% para 13%. Não souberam ou não opinaram passaram de 7% para 6%.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Foram ouvidos 2.820 eleitores em 197 municípios de todo o País entre 13 e 14 de setembro. O nível de confiança é de 95%. O levantamento foi protocolado no TSE sob o registro BR 05596/2018.

Comente

Recurso protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é contra a decisão do plenário da Corte que negou um habeas corpus antes de ele s - 15/09/2018

Supremo Tribunal Federal tem maioria contra recurso de Lula em julgamento virtual

 Supremo Tribunal Federal

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já votou contra mais um recurso para garantir liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Até o momento, o placar do julgamento está em 7 a 1 e é realizado em ambiente virtual, quando os ministros do STF podem decidir remotamente sobre uma questão que trate de temas com jurisprudência já consolidada.

O recurso protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é contra a decisão do plenário da Corte que negou um habeas corpus antes de ele ser preso, em abril.

Já votaram sobre a questão os ministros Edson Fachin, relator, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes e Rosa Weber. O período da votação eletrônica será encerrado às 23h59.

Lula está preso desde 7 de abril na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no caso do triplex no Guarujá, em São Paulo.

Comente